REFERÊNCIAS

*  LEGISLAÇÃO
BRASIL. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil, 1891. Disponível
em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao91.htm

BRASIL. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil, 1937. Disponível
em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao37.htm

BRASIL. Decreto 21.076, de 24 de fevereiro de 1932. Disponível em:
https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1930-1939/decreto-21076-24-fevereiro-
1932-507583-publicacaooriginal-1-pe.html.

BRASIL. Lei nº 9.504. Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9504.htm

BRASIL. Lei nº 12.034. Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/lei/l12034.htm

BRASIL. Lei nº 13.086. Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/L13086.htm

* PRODUÇÕES ACADÊMICAS
AFLAVO, Hannah Maruci. Basta Votar? A luta pelo voto feminino e o controle sobre a
participação política das mulheres no Brasil. Estudos de Sociologia, Recife, 2017, Vol.
2 n. 23. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revsocio/article/view/237062.
Acesso em: 08 fev. 2022.

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO. O voto feminino.
Disponível em: https://www.al.sp.gov.br/noticia/?id=262455
COSTA, Albertina de Oliveira. Protagonistas ou coadjuvantes: Carlota e os escudos
feministas. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, n; 96 pp.66-70, maio 1996.

COSTA, Ana Alice Alcântara SARDENBERG, Cecilia Maria Bacellar. Teoria e práxis
feministas na academia: os núcleos de escudos sabre a mulher nas universidades
brasileiras. Estudos Feministas, Rio de Janeiro, ano 2, número especial, pp. 387 - 400,
2º semestre 1994.

CPDOC. Atlas Histórico do Brasil. Verbete Assembleia Nacional Constituinte.
Disponível em: https://atlas.fgv.br/verbete/5740

CPDOC. Era Vargas: dos anos 20 a 1945. Carlota Pereira de Queirós. Disponível em:
https://cpdoc.fgv.br/producao/dossies/AEraVargas1/biografias/carlota_pereira_de_queir
os KARAWEJCZYK, Mônica. O Voto Feminino no Congresso Constituinte de 1891:

Primeiros Trâmites Legais. Anais do XXVI Simpósio Nacional de História –
ANPUH, São Paulo, julho 2011. Disponível em:
http://www.snh2011.anpuh.org/resources/anais/14/1300645749_ARQUIVO_ovotofemi
ninonaconstituinte.pdf

KARAWEJCZYK, Mônica. As filhas de Eva querem votar: dos primórdios da
questão à conquista do sufrágio feminino no Brasil. 2013. Tese (Doutorado) – Curso de
Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre,
2013. Disponível em:
https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/72742/000884085.pdf?sequence=1&
isAllowed=y

KARAWEJCZYK, Mônica. Os primórdios do movimento sufragista no Brasil: o
feminismo “pátrio” de Leolinda Figueiredo Daltro. Estudos Ibero-Americanos, Porto
Alegre, v. 40, n. 1, p. 64-84, jan.-jun. 2014a. Disponível em:
https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/iberoamericana/article/viewFile/15391/
12462

KARAWEJCZYK, Mônica. Bertha Lutz e Maria Lacerda de Moura: uma parceria
inusitada. Gênero, Niterói, v. 14, n. 2, p. 105-124, 1º sem. 2014b. Disponível em:
https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/iberoamericana/article/viewFile/15391/
12462

KARAWEJCZYK, Mônica. Voto feminino no Brasil. A FBF e a luta pelo voto
feminino no Brasil – anos decisivos. Arquivo Nacional, Rio de Janeiro, 2021.
Disponível em: http://querepublicaeessa.an.gov.br/temas/147-o-voto-feminino-no-
brasil.html

KAZ, Leonel; LODDI, Nigge; PIÑON, Nélida; CHAUÍ, Marilena; SCHUMAHER,
Schuma. Século XX: A mulher conquista o Brasil. Rio de Janeiro, Aprazível Edições,
2006/2007.

PINTO, Céli Regina Jardim. Uma história do feminismo no Brasil. São Paulo: Editora
Fundação Perseu Ábramo, 2003.

PIRES, Herculanum Ghirello. Mulheres e roupas: as feministas da Federação
Brasileira pelo progresso feminino. 2016. Dissertação (Mestrado) – Curso de Pós-
Graduação em História, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2016. Disponível
em:
http://repositorio.uem.br:8080/jspui/bitstream/1/4580/2/Disserta%C3%A7%C3%A3o%
20Herculanum.pdf

SCHUMA, Schumaher; CEVA, Antonia. Mulheres no poder: trajetórias na política a
partir da luta das sufragistas do Brasil. Rio de Janeiro: Edições de Janeiro, 2015.

SCHUMA, Schumaher, BRAZIL, Érico Vital. Dicionário Mulheres do Brasil. Rio de
janeiro. Editora Zahar, 2000.

TELES, Maria Amélia de Almeida. Breve História do Feminismo no Brasil. São
Paulo – SP: Brasiliense, 1993. (Coleção Tudo é História)

TOSCANO, Moema e GOLDENBERG, Mirian. A revolução das mulheres: um
balanço do feminismo no Brasil. Rio de Janeiro: Revan, 1992.

* SITES
AGÊNCIA DA CÂMARA DE NOTÍCIAS. Reforma eleitoral é promulgada; novas
regras serão aplicadas nas eleições de 2022. Câmara dos Deputados, 2021. Disponível
em: https://www.camara.leg.br/noticias/811023-reforma-eleitoral-e-promulgada-novas-
regras-serao-aplicadas-nas-eleicoes-de-2022/. Acesso em: 05 fev. 2022.

GÊNERO E NÚMERO. Eleições 2020. Disponível em:
https://generonumero.media/eleicoes2020/. Acesso em: 05 fev. 2022.
LIMA, Juliana Domingos de. Feminismo: origens, conquistas e desafios no século 21.

Nexo Jornal, 2020. Disponível em:
https://www.nexojornal.com.br/explicado/2020/03/07/Feminismo-origens-conquistas-e-
desafios-no-s%C3%A9culo-21. Acesso em: 29 jan. 2022.

MARCÃO, Renato. Lei 11.106/2005: novas modificações ao Código Penal Brasileiro
(IV) - Dispositivos revogados. Migalhas, 2005. Disponível em:
https://www.migalhas.com.br/depeso/11944/lei-11-106-2005--novas-modificacoes-ao-
codigo-penal-brasileiro--iv----dispositivos-revogados. Acesso em: 30 jan. 2022.

NOSSA CAUSA. Conquistas do feminismo no Brasil: uma linha do tempo.
Disponível em: https://nossacausa.com/conquistas-do-feminismo-no-brasil/. Acesso em
31 jan. 2022.

PONTES, Nádia. O destaque das mulheres indígenas na COP-26. G1. Disponível em:
https://g1.globo.com/meio-ambiente/cop-26/noticia/2021/11/11/o-destaque-de-
mulheres-indigenas-na-cop26.ghtml. Acesso em: 05 fev. 2022.

SOUTO MAIOR, Leandro Thomaz de Silva; COLY, Sarah Cecília Raulino. A proteção
do trabalho da mulher. Migalhas, 2014. Disponível em:
https://www.migalhas.com.br/depeso/198919/a-protecao-do-trabalho-da-mulher.
Acesso em: 31 jan. 2022.




https://www.inclusive.org.br/arquivos/32273

https://renfa.org/


https://anmiga.org/quem-somos/